A importância da pregação por Samuel Whitefield

As boas novas sobre Jesus e seu Reino deve ser pregada.

E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim. — Mateus 24.14

Jesus usou a palavra pregar porque ela tem um significado bem específico. Esse termo era usado para descrever a atividade de um mensageiro no Mundo Antigo. Os arautos proclamavam a mensagem dos reis em alta voz ao povo, pois, obviamente, não havia mídias naquela época. Quando um rei desejava ir a certa cidade, enviava antes seu arauto para preparar sua chegada.

O arauto transmitia a mensagem do rei e instruía o povo sobre como eles deveriam se preparar para a sua chegada. Jesus se utilizou desse contexto para descrever a tarefa da Igreja porque ela é chamada para ir às nações da Terra e prepará-las para o retorno de Cristo. É isso que significa discipular as nações e ensiná-las a obedecer a tudo o que Jesus ensinou. Como os antigos reis precisavam de precursores que fossem à sua frente, Jesus subiu aos céus e deu à Igreja a tarefa de preparar a Terra para o seu retorno.

Em sua primeira vinda, por quase 30 anos, Jesus foi um desconhecido. Quando chegou o tempo de ele se revelar, Deus enviou um homem chamado João para preparar as pessoas para se encontrarem com Jesus. João chamou Israel ao arrependimento diante de Deus como preparação para a chegada de seu Filho.

Atualmente, Jesus é desconhecido entre as nações e a tarefa da Igreja é muito parecida com a de João Batista: somos chamados para preparar as nações para a volta de Cristo; nós suplicamos às nações que se arrependam e obedeçam a Jesus antes que ele volte e execute seus juízos. Este é um aspecto da Grande Comissão que é frequentemente negligenciado, mas que está em sua essência. Nós não cumpriremos a Grande Comissão até que as nações estejam preparadas para a volta de Jesus. Portanto, precisamos compreender o que é necessário para preparar os povos para o retorno de Cristo.

Quando chegou a hora de Deus libertar Israel do Egito, ele enviou Moisés e Arão como mensageiros, os quais disseram a faraó o que Deus ordenara e o instruíram a cooperar com ele. Faraó recusou-se a obedecer e Deus respondeu enviando seus juízos. Quando as pragas vieram sobre o Egito, faraó não tinha dúvidas sobre quem as estava causando, nem sobre o que Deus queria.

Da mesma maneira, o Senhor não vai liberar seus juízos no fim dos tempos até que as nações sejam advertidas e instruídas a cooperar com ele:

E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim. — Mateus 24.14

Nossa missão é semelhante à incumbência que o Senhor deu a Moisés: devemos instruir as nações sobre a libertação que Deus está prestes a trazer e convocá-las a cooperar com os propósitos divinos.

A pregação do evangelho do reino para todas as nações não é apenas uma oferta da graça de Deus mas também uma advertência para as nações. A palavra testemunho em Mateus 24.14 é a palavra grega μαρτύριον (martyrion). Esse termo era usado para se referir a um depoimento dado por um indivíduo que tivesse presenciado um fato e, por isso, podia ser uma testemunha da verdade em juízo.

Portanto, os mensageiros que cumprirão Mateus 24.14 devem conhecer a mensagem pessoalmente, assim como alguém que testemunhou um fato. Isso requer um relacionamento íntimo com o Messias e um profundo conhecimento das Escrituras. Devemos conhecer Jesus e aquilo que ele falou se quisermos preparar as nações para o seu retorno.

A mensagem do evangelho é um testemunho dado para as nações a respeito do que é a verdade. Quando Deus julgá-las, não haverá desculpas porque elas terão ouvido a Igreja proclamar o que Jesus considera necessário. Mal podemos imaginar como será quando os povos estiverem diante de Deus para serem julgados sem qualquer desculpa, porque ele lhes enviou um testemunho antes dos seus juízos finais.

Jesus concluiu seu sermão em Mateus 24.14 com a afirmação: “então virá o fim”. Essa declaração também pode ser traduzida como: Deus vai terminar todas as coisas. A frase “então virá o fim” refere-se aos eventos do final desta era. Isso significa que o fim desta era em que vivemos não virá até que o testemunho mencionado em Mateus 24.14 seja anunciado às nações. Deus é tão misericordioso que não vai permitir que o anticristo se levante sobre a Terra até que todas as nações sejam advertidas sobre Jesus, seu reino e suas exigências.


– Samuel Whitefield

Fonte: Extraído do livro Israel e a Grande Comissão (Impacto Publicações)

Deixe uma resposta